Debora Falabella estrela o anúncio de lançamento de ‘Avenida Brasil’

 Na segunda fase da campanha de lançamento de ‘Avenida Brasil’, anúncios de três páginas sequenciais ganham os principais jornais e revistas semanais do país comunicando a estreia da novela das nove, que acontece na próxima segunda-feira. Criada pela Central Globo de Comunicação, a peça tem como estrela principal Nina, a protagonista interpretada por Debora Falabella, e o mesmo conceito do teaser, que questiona ‘Até onde você iria por justiça?’.

 

Na página dupla, Nina aparece em primeiro plano, enquanto ao fundo uma foto mostra sua madrasta a abandonando, ainda criança, em um depósito de lixo. O título do anúncio diz: “Ela levou minha família. Tirou a minha casa. Agora, ela vai ter que pagar pelo que fez”. Na página seguinte, outros personagens da trama são apresentados ao público. A iluminação desfocada usada no teaser, que remete aos faróis de carros e sinais de trânsito de uma movimentada avenida, também está presente no anúncio.

 

Escrita por João Emanuel Carneiro e com direção de núcleo de Ricardo Waddington, ‘Avenida Brasil’ narra a trajetória de Rita/Nina (Débora Falabella), que sofre um duro golpe planejado e executado por Carminha (Adriana Esteves), sua madrasta. Ainda criança, ela perde tudo e vai parar em um depósito de lixo. A protagonista é então adotada por uma família argentina e, depois de viver anos longe do Brasil, volta ao país para um acerto de contas com Carminha. A esta altura, Carminha já está casada com Tufão (Murilo Benício), um rico ex-jogador de futebol. Em sua saga, Rita/Nita reencontra Batata/Jorginho (Cauã Reymond), seu primeiro amor de infância. ‘Avenida Brasil’ entra no ar na próxima segunda-feira, dia 26.


Ficha Técnica:
Agência: Central Globo de Comunicação
Direção de Criação: Marcos Pedrosa
Criação: Marcos Pedrosa, Eduardo Castro e Andre Regnier
Fotografia: Marcio Scavone


Legendas: Anúncio de lançamento de Avenida Brasil - TV Globo/Divulgação

Novela: AVENIDA BRASIL


Aos 11 anos de idade, relatam os especialistas, a criança tem um senso de justiça bastante aflorado. É também nesta fase em que o olhar crítico se acentua. Rita (Mel Maia), a protagonista desta história, tem exatos 11 anos quando sofre um duro golpe e vê o seu mundo virar ao avesso. Esta rasteira lhe deixa marcas profundas, chaga que Rita carregará pela vida inteira. 

A menina, órfã de mãe, é criada pelo pai. Amoroso, Genésio (Tony Ramos) jamais imaginou que a sua segunda esposa pudesse representar o pior de seus pesadelos. Carminha (Adriana Esteves), a madrasta, rouba tudo da enteada: os sonhos, a casa, a família e a esperança. Rita conhece um modelo de vida sem esperança, de muitas perdas e solidão. Ela sente, na pele, a amargura da decepção. 

Mas enganam-se aqueles que subestimam a capacidade de sobrevivência de Rita. A menina não sucumbe ao longo dos anos. De tudo o que lhe foi tirado, restou apenas um único e vital sentimento: a sede por um acerto de contas. É neste momento em que o limite para que os fins justifiquem os meios entra em discussão. Esse limite, por diversas vezes, não se encaixa no formato simples e dicotômico de certo ou errado.

Na saga pela sua própria justiça, Rita deixa para trás o passado frágil e se transforma em Nina (Débora Falabella), uma mulher obstinada, firme e blindada para as surpresas que o destino lhe reserva. A vida se encarregou desta metamorfose. Está feito, não há como voltar.       


Há 13 anos...

Avenida Brasil, escrita por João Emanuel Carneiro e com direção de núcleo de Ricardo Waddington, narra a trajetória de Rita (Mel Maia), uma menina órfã que vê o seu mundo desmoronar com a morte do pai. O triste acontecimento lhe rouba a infância, pois Rita é apenas uma criança quando Genésio (Tony Ramos) sofre o grande golpe que culminou no fim de sua vida.

Se a história fosse pausada neste exato momento, o destino de Rita já seria, no mínimo, comovente. Mas a vida então lhe prega uma peça e coloca em seu caminho Carminha (Adriana Esteves), a segunda esposa de Genésio. E ela não chega sozinha... Carmen Lúcia Moreira de Souza entra em cena na companhia de Max (Marcelo Novaes), seu amante e parceiro em golpes e armações ao longo de anos. 

A trama tem início na década de 90. Carminha, uma mulher sedutora e esperta, nunca dá ponto sem nó. Casou-se com o honesto Genésio de olho em vantagens que poderia conseguir no relacionamento com esse homem simples e boa gente. Na primeira brecha que encontra, ela planeja uma armadilha que tem por objetivo roubar uma grande bolada do marido.

Tudo vai bem até que Rita descobre quem é, de verdade, a sua madrasta. Ela revela a Genésio tudo o que descobriu, especialmente o roubo do dinheiro da venda da casa onde moram, ou seja, a sua única herança. Pai e filha, juntos, resolvem deter Carminha. É quando a sorte sorri para esta fria e ardilosa personagem, uma loba em pele de linda e dissimulada mulher.

Uma sorte chamada Tufão

Carminha (Adriana Esteves), sem fazer esforço, consegue tirar Genésio de seu caminho. Ele sofre um acidente fatal. Com isso ela evita que a sua verdadeira faceta venha à tona. Além de não estar mais na mira do ex-marido, a vilã desta história tem a seu favor uma manobra incrível do destino.

Quando ela menos espera, surge em seu caminho um jogador de futebol em ascensão, nascido e criado no bairro do Divino, bairro fictício do subúrbio carioca. Bom de bola e carismático, logo sai dos campos da região para conquistar uma vaga no Clube de Regatas do Flamengo. E numa final de campeonato, destaca-se como o herói da partida. Em pouco tempo, Tufão sai de vez do anonimato para o universo dos flashes, do dinheiro farto e do assédio. 

Como Carminha não tem nada de inocente, ela vê em Tufão a chance de agarrar a vida que sempre sonhou. Nada pode atrapalhar o seu momento de triunfo. É quando ela resolve mandar para longe, sem dó nem piedade, aquela que representa o único empecilho para um futuro rico e promissor: Rita (Mel Maia). Sempre ao lado de Max (Marcelo Novaes), Carminha dá aquela que seria mais uma grande cartada e envia a enteada a um depósito de lixo para viver sob o controle intimidador de Nilo (José Abreu).   
   
O paradeiro de Rita

E a vida não para. No depósito de lixo onde Rita (Mel Maia) é deixada, os seus primeiros dias são piores do que qualquer pesadelo que ela jamais imaginou ter. Em meio a um ambiente sujo e hostil, Nilo (José de Abreu) dita as regras para o funcionamento da casa que abriga outras tantas pobres crianças. E não é nada fácil sobreviver por lá.

Bem ali ao lado, vive Lucinda (Vera Holtz), conhecida como a Mãe do Lixão. Ela tem o dom de transformar o lixo em lúdico e de oferecer, em escalas mínimas, claro, esperanças para a criançada que abriga. Ao contrário da casa de Nilo, Lucinda construiu um lar com criatividade e amor, também na medida do possível. A casa foi erguida com objetos e materiais encontrados em meio à sucata e ao lixo. O resultado agrada aos moradores, que vivem à margem de escolhas mais dignas e humanas.

É na casa de Lucinda onde mora Batata (Eduardo Simões), menino de 11 anos que, apesar das condições que o rodeiam, é carismático e tem bom caráter. É ele quem ampara Rita ao vê-la enfrentar a dura rotina na casa de Nilo. Mesmo desagradando Nilo e desobedecendo Lucinda, ele convence a Mãe do Lixão a abrigar a menina. Vale lembrar que existe uma regra de “boa vizinhança” entre Lucinda e Nilo. Os grupos de crianças são intocáveis. Um não mexe com o outro, aconteça o que acontecer...

Um amor chamado Batata

A amizade entre Rita (Mel Maia) e Batata (Eduardo Simões) começa com ares de cumplicidade em busca de sobrevivência. Com o tempo, nasce um inocente primeiro amor. Esse sentimento se apresenta em forma de brincadeiras e, aos poucos, toma forma como algo mais forte, intenso, uma ligação que o tempo terá dificuldades em apagar.

Quando Rita começa a se sentir em “casa”, cercada por pessoas que aprendeu a gostar, Lucinda (Vera Holtz) muda o rumo dos acontecimentos. Uma família adotiva chega ao depósito de lixo para levar Rita para fora do país. A Mãe do Lixão quer protegê-la, mas a menina custa a entender a motivação para tal atitude.

Batata não se conforma em perder Rita. Ele tenta evitar que a sua grande parceira deixe o depósito, mas Lucinda o impede de continuar tentando e lutando para ter Rita ao seu lado. Para Lucinda, ambos não sabem do risco que correm caso continuem a viver por lá. E, assim, tempos depois, Batata também ganha uma nova família e deixa o depósito.

Rita e Batata seguem por caminhos distintos, sem notícias um do outro. Eles passam a viver apenas nas lembranças daqueles que os conheceram. Os dois deixam para trás suas identidades e o passado na casa da Mãe do Lixão.

Rita se torna Nina (Débora Falabella) e Batata passa a ser conhecido como Jorginho (Cauã Reymond).

Nina começa a escrever uma nova história

Rita (Mel Maia) é levada para a Argentina por uma família disposta a adotá-la com amor e recursos financeiros. Martín (Jean Pierre Noher) é um pai carinhoso e sabe bem dividir o seu carinho entre Rita e suas duas filhas biológicas.

Rita passa a ser chamada de Nina (Débora Falabella) e, torna-se uma mulher bem-sucedida no trabalho e, aparentemente, no amor. Chef de cozinha, Nina tem o seu próprio restaurante, onde parece estar realizada. Hector (Daniel Kuzniecka) é seu namorado e parceiro, um amigo conquistado na Argentina.

Mas a morte de Martín traz à tona a verdadeira Nina, uma jovem mulher que nunca se livrou do passado. Ao longo dos anos, ela não consegue perder de vista, mesmo à distância, seu algoz, Carminha (Adriana Esteves). Ela sabe de cada passo dado pela ex-madrasta, especialmente do casamento com Tufão (Murilo Benício) e de sua ascensão econômica. Nina conhece, até mesmo, a nova casa de Carminha, informação conseguida  em revistas de celebridades para as quais a vilã concedeu entrevistas.

Logo após o enterro de seu pai adotivo, Nina resolve voltar para o Brasil. Begônia (Carol Abras) e Betânia (Bianca Comparato) tentam impedir que a irmã dê início a seu acerto de contas. Mas Nina é irredutível. Ela abre mão de tudo o que conquistou em solo argentino, o que inclui o restaurante, a família adotiva e até mesmo o namorado.

Nina está firme em seu propósito de impedir os abusos de Carminha. Ela não quer que a ex-mulher de seu falecido pai continue a fazer vítimas em prol de vantagens próprias. No fundo, Nina quer tentar resgatar um pouco da vida que lhe foi roubada. E a sua primeira decisão é entrar na casa de sua inimiga e conquistá-la como uma empregada perfeita de forno e fogão, amável e prestativa. Um sonho para qualquer dona de casa e a oportunidade perfeita para quem quer fazer a sua própria justiça.  

Cores, brilhos, charme e futebol – a vida no subúrbio nos dias de hoje

Divino Futebol Clube

Uma grande mistura colorida. Assim é o bairro do Divino, onde vivem quase todos os personagens de ‘Avenida Brasil’. Nas redondezas, há um clube, o Divino Futebol Clube, onde a bola rola em defesa deste time de terceira divisão e acontecem os bailes de charme. É lá onde Jorginho (Cauã Reymond), Iran (Bruno Gissoni), Roniquito (Daniel Rocha) e Leandro (Thiago Martins) treinam dia após dia em busca da experiência necessária para se chegar num grande clube. O Divino Futebol Clube também abriga Darkson (José Loreto), Tessália (Débora Nascimento), Olenka (Fabiula Nascimento),  Suéllen (Isis Valverde), entre outros personagens, em noites quentes de charme, estilo de dança e música que une os moradores deste subúrbio carioca.

Campeão consagrado pela nação rubro-negra

Tufão (Murilo Benício) fez bonito dentro de campo e o título que conquistou para o Flamengo o ajudou a saltar na pirâmide sócio-econômica. Mas nada deste novo mundo ofertado pelas conquistas enche os seus olhos. O que ele quer mesmo é continuar morando com sua família, no lugar onde nasceu, perto dos amigos. Obviamente, ele mora em uma mansão. Mas uma mansão erguida no subúrbio.

Antes que Carminha (Adriana Esteves) cruzasse a sua vida, Tufão declarou em público o seu amor por Monalisa (Heloisa Perissé), uma cabeleireira paraibana que conquistou tudo o que tem com muito trabalho. Tufão e Monalisa foram noivos. Quem não gostou muito desta história foi Muricy (Eliane Giardini), mãe de Tufão. Apesar do enorme coração e de bom caráter, a matriarca sempre torceu o nariz para a cabeleireira. Poderia ser simplesmente uma pitada de ciúme maternal, mas este é um daqueles casos de avaliação equivocada das intenções de uma mulher verdadeiramente apaixonada. Muricy sempre acreditou que Monalisa fosse uma oportunista no caminho de Tufão.   

A “Rainha da Chapinha”

Mulher de fibra, Monalisa (Heloísa Perissé) saiu da Paraíba para tentar a vida no Rio de Janeiro. Foi como cabeleireira que conquistou dignidade e independência financeira.  Com o tempo, passou de empregada a dona do negócio, fruto de uma parceria com o ex-noivo, Tufão (Murilo Benício). Mas o sucesso do Salão da Monalisa tem uma explicação cercada de boas cifras: um creme desenvolvido por ela e que tem o poder, quase mágico, de deixar as mulheres com as madeixas alisadas. Para dar conta de clientes ávidas por uma cabeleira lisa , Monalisa conta com a ajuda de Olenka (Fabiula Nascimento), Roniquito (Daniel Rocha) e Brigitte (Luana Martau).

A vida no Divino

Os moradores do Divino já se acostumaram com a presença do carro de mensagens de Silas (Ailton Graça) pelas ruas. O veículo falante é usado para felicitações de aniversário, pedidos de casamento e até cobranças de dívidas. Com ele não tem tempo ruim. Se contratar, o serviço será feito!

Uma movimentada loja de moda e acessórios feminino do bairro tem em seu quadro de funcionários Suéllen (Isis Valverde), Lúcio (Emiliano D’ávila) e Darkson (José Loreto). A primeira não está nem aí para o trabalho. O que ela quer mesmo é fisgar um jogador de futebol e ficar rica e famosa. Darkson é o dono da voz que faz a propaganda da loja na frente do estabelecimento. Ele usa o microfone para o trabalho e exercitar o seu talento como rapper. Lúcio também é avesso ao trabalho e faz corpo mole. Diógenes (Otávio Augusto) é o dono da loja. Fechadão e sisudo, ele tenta manter as rédeas de seu comércio.

Um homem + três mulheres = confusão à vista

Cadinho (Alexandre Borges) é um enigma para muitos especialistas em relacionamentos. Chamá-lo de mulherengo é reduzir demais as possibilidades deste charmoso e bonitão empresário do mercado financeiro. Rico, inteligente e perspicaz, Cadinho mantém três mulheres e...três famílias! É pai de quatro filhos, numa matemática difícil de entender. Não é o harém que o atrai. Ele quer mais. Ele quer formar famílias, sim, famílias no plural.

A primeira mulher com que criou raízes foi Verônica (Débora Bloch). Descrevê-la é um desafio e entendê-la só é possível se o observador em questão for desprovido de preconceito. Uma mulher rica, que “a-d-o-r-a” consumir, mas que guarda um coração enorme e uma surpreendentemente personalidade romântica. Ela é mãe de Débora (Nathalia Dill)  , assim como a famosa protagonista de uma canção popular, Verônica é que é mulher de verdade!

Débora (Nathalia Dill)  é uma excelente acrobata. Mas abriu mão de viver de sua arte depois de ter conhecido Jorginho (Cauã Reymond). Apaixonada, a jovem deixou de morar no Canadá para ficar bem pertinho do jogador.

A segunda mulher de Cadinho é Noêmia (Camila Morgado). A grosso modo, é quase o oposto de Verônica. Quando conheceu o empresário, fez questão de deixar claro que não se interessou por ele por causa do dinheiro. Afinal, Noêmia sempre levantou algumas bandeiras, especialmente a de não valorizar o consumismo. Mas, sustentada por Cadinho, leva uma vida de milionária, numa linda mansão localizada na região serrana do Rio de Janeiro É a mãe de Tomás (Ronny Kriwat)um rapaz que adora ostentar bens materiais e leva a vida como um mulherengo playboy.

Alexia (Carolina Ferraz) completa o time de mulheres do empresário. Nascida em berço de ouro, a socialite foi perdendo a fortuna ao longo dos anos. Mas a união com Cadinho não foi motivada por sua boa condição financeira. No fundo, o que Alexia sempre quis foi encontrar um pai para o filho que sonhava ter. E assim foi concebida Paloma (Bruna Orphão), menina de personalidade forte e que sabe o jeito certo de conseguir tudo o que quer de sua mãe. 

Entrevista com o autor, João Emanuel Carneiro

Como uma nova história nasce na sua imaginação? Como se dá o seu processo criativo para que a trama ganhe os contornos de uma novela? 
A história de Avenida Brasil nasceu de uma cena. O interessante de uma novela é você ver como uma ideia pode ter fôlego para se desenrolar quase eternamente. Ela parte de um acontecimento do primeiro capítulo, quando alguns destinos se cruzam, os destinos de Carminha, Genésio e Tufão. É como se nós estivéssemos acompanhando duas histórias paralelamente. De repente, elas se bifurcam e cria-se um grande mal-entendido. Partiu daí... e partiu daí também a ideia de poder torcer pelo bandido. A Nina, às vezes, age como vilã, mas por uma nobre causa.

Você acredita que essa protagonista, a Nina, represente um desafio ainda maior para você, já que a trajetória dela não se aproxima das heroínas que normalmente ocupam o posto de mocinhas e protagonistas?
Cada novela tem que me dar um desafio. Quando eu conto, invento uma história, e essa história tem que me desafiar. Então eu tenho que alcançar uma maneira de encontrar uma “brincadeira” para mim. Então o meu desafio é poder torcer por esta “vilãzinha querida”. Desde pequeno, sempre torci para os índios em Forte Apache. Eu nunca torci para o batalhão, para a guarda...Então, eu posso continuar “torcendo para os índios” de forma bem justificada. Isso faz parte dos meus personagens, da ideia toda, da minha formação...cada vez mais eu penso no Dostoievski, pois ele propõe personagens com mil paradoxos. Você pode entendê-los em suas complexidades. Eu li muito Dostoievski há três anos, quando eu fiz essa sinopse.

A Nina tem um parentesco com Raskólnihov e com esses personagens que são capazes de fazer coisas condenáveis por nobres causas. Você consegue se colocar na pele deles.

Mas qual é o grande dilema de Nina? De onde vem tanta complexidade e paradoxo?
A ideia da novela, o mote, é: “os fins justificam os meios? É certo agir errado por uma causa nobre?” Essa que é a pergunta. E daí que vem a história da Nina. É a cruzada de vingança da empregada trabalhando como cozinheira na casa da ex-madrasta, casada com um ex-jogador de futebol.

É uma vingança, pois essa menina, quando tinha 11 anos de idade e se chamava Rita, foi abandonada no meio do lixo pela madrasta depois que o pai morreu. A madrasta roubou tudo o que eles tinham... Essa criança jurou vingança. Ela reaparece 13 anos depois, trabalhando na casa do jogador de futebol. E ela vai, de certa maneira, seduzir todos da casa, a começar pela própria Carminha, ex-madrasta dela. Ela será uma empregada perfeita, zelosa...

O que você reserva para o telespectador, um misterioso drama a exemplo de ‘A Favorita’?
Com exceção do núcleo da casa do jogador, que é o núcleo dramático, os arredores são muito cômicos e coloridos. Ao contrário de ‘A Favorita’, que era uma novela muito “preta e branca”, eu quis fazer algo bem colorido. A história de Cadinho e suas três mulheres –  três relacionamentos modernos – é uma grande comédia.  Na verdade, todos os arredores têm comédia. Pensei em fazer uma novela que tenha a espinha dorsal de um folhetim russo e um entorno todo colorido.

Uma de suas características é a construção de mulheres fortes e que, em muitas vezes, ocupam papéis invertidos na sociedade. Como será em Avenida Brasil?
Uma das personagens, Monalisa ( Heloisa Perissé), é uma mulher que assumiu a função do homem em sua casa. É a mulher que se resolveu financeiramente, já tem um ou mais filhos, já tem uma vida. Ela não quer um homem dentro de casa para não lhe entregar o controle da tevê. Na história também tem isso. É uma crônica dentro da novela.

É algo que tenho observado muito no subúrbio. Eu estive por lá várias vezes para escrever esta novela e convivo com muita gente que vive nesta região. Fui sozinho, com a equipe da novela, participei de churrascos... Isso tudo aconteceu no ano retrasado.

O que eu percebo muito, uma imagem recorrente, é que às segundas-feiras, os homens ficam em casa e as mulheres saem para trabalhar fora, para pegar o trem. É uma imagem que me vem à cabeça sempre que penso no subúrbio.

A temática do futebol está em pauta em Avenida Brasil. De onde veio a inspiração? Você é fã de futebol? Entende do esporte? É bom de bola?
Eu nunca entendi de futebol e sempre fui o pior jogador do meu colégio. Eu era considerado a “arma secreta”, pois em todos os times que eu entrava, perdia. Mas eu gosto de futebol, eu gosto de assistir ao futebol, de ir ao Maracanã. Mas essa novela não vai tratar do futebol. Não vai haver campeonatos, jogos... É um pouco dos bastidores deste esporte. Só no primeiro capítulo que tem a história do Tufão, que se consagra num jogo no Maracanã. Depois a gente vai acompanhar a trajetória do Jorginho, que é o filho do jogador famoso e que ainda não aconteceu. Ele ainda joga no Divino, que é um time de segunda divisão.

João, fale um pouco sobre a sua relação com os personagens e o elenco durante o processo criativo. Qual é o seu estilo de escrita? O que você tem a dizer sobre a escalação de Avenida Brasil?
Eu escrevo para um fantasminha que está na minha cabeça, que tem uma carinha própria... só depois chega o ator. Faço Prêt-à-Porter, não faço nada sob medida. Os atores entram nas roupas. Após a escalação, eu vou moldando um pouco. Sobre a escolha do elenco, eu e o Ricardo fazemos tudo juntos e os dois precisam querer um ator para determinado papel. E juntos fazemos muitos testes. Sim, pois o teste é muito importante. Uma coisa é fazer a suposição, outra coisa é ver na prática. Ao ver, tudo fica tão claro! A Carminha foi a personagem mais difícil de escalar e o encontro da Adriana Esteves com esse papel foi uma felicidade. Eu fiquei muito feliz quando a vi fazendo. A Carminha é um personagem muito complexo. Ao mesmo tempo em que ela é uma megera, ela é uma mulher de família. No meio de tudo, para fazer o que ela faz, tem que ter uma loucura e uma caretice. Então ela é uma careta louca. E ainda tem uma palhaça, uma palhaça triste, eu acho. A Adriana Esteves conseguiu fazer isso tudo, esse recorte todo.


Avenida Brasil tem um elenco enxuto e a história é bem concentrada em poucos núcleos nos quais as tramas se desenrolam. Por quê?
Esta é uma característica sempre presente em minhas novelas. Eu gosto de reinventar a própria história dentro daquele quadro de personagens, de poucos personagens. Eu não gosto de fazer novelas com muitos núcleos, numa produção em rodízio. A história está sempre ali, se reinventando e acontecendo naquele lugar.

Perfil dos personagens

O mundo de Rita

Rita (Mel Maia) – Órfã de mãe, é criada pelo pai Genésio (Tony Ramos) e pela madrasta Carminha. Quando descobre um golpe planejado por Carminha (Adriana Esteves) contra sua família, seu pai morre e Rita entra na mira da ardilosa e sedutora madrasta. Rita é abandonada em um depósito de lixo após a morte do pai e depois de anos é adotada por uma família argentina. Rita muda de identidade e torna-se Nina (Debora Falabella).

Genésio (Tony Ramos) - Pai de Rita, casado com Carminha (Adriana Esteves). É um bom homem, que sofre um golpe planejado e executado por sua segunda esposa.

Carminha (Adriana Esteves) – É a grande vilã da história. Casada com Genésio (Tony Ramos), Carminha é amante de Max (Marcelo Novaes). Fria e ambiciosa, ela faz de tudo para conseguir o que quer. Depois de viúva, ela consegue tirar a enteada Rita (Mel Maia)  de seu caminho e se casa com Tufão (Murilo Benício), um famoso jogador de futebol

Max (Marcelo Novaes) – Amante e grande parceiro de Carminha (Adriana Esteves). Dissimulado, tem pânico de pobreza, mas não tem cacife para se tornar um criminoso de verdade. Ele topa tudo o que Carminha propõe, o que inclui o plano para levar Rita (Mel Maia) para um depósito de lixo e as investidas para que sua comparsa conquiste Tufão (Murilo Benício).

A nova vida de Rita

Nina (Débora Falabella) – Discreta e misteriosa, Nina é uma jovem mulher cega por seus objetivos. Para ela, os fins justificam os meios e se a causa for nobre, tudo vale a pena em sua jornada. Nina esconde um lado obscuro em sua personalidade. Ela é uma cozinheira de mão cheia. É a heroína da trama. Nina se tornou essa mulher tão obcecada após a morte de seu pai, Genésio (Tony Ramos), e a partir do sofrimento que passou nas mãos da madrasta, Carminha (Adriana Esteves). Ela é fruto do que lhe aconteceu quando ainda era criança, a frágil Rita (Mel Maia).

Martín (Jean Pierre Noher) - Pai adotivo de Nina (Débora Falabella). O argentino é uma excelente influência para Nina e a educou com bons princípios.

Begônia (Carol Abras) – Irmã adotiva de Nina (Débora Falabella). Jovem problemática, sofre demais quando Nina anuncia o seu retorno ao Brasil.

Betânia (Bianca Comparato) - Irmã adotiva de Nina (Débora Falabella). Ela decide ir atrás da irmã logo que Nina deixa a Argentina. 

Hector (Daniel Kuzniecka) - Namorado argentino de Nina (Débora Falabella). É um jovem homem apaixonado e muito bonito.

O mundo de Tufão

Tufão (Murilo Benício) – Ex-jogador de futebol que deu título ao Flamengo na época em que jogava como artilheiro do time. É rico, mas leva uma vida sem ostentação. Tufão nunca abandonou as suas origens, apesar do dinheiro que ganhou ao longo da vida. Afetivo e generoso, é um homem que valoriza a família. No começo da trama, é noivo de Monalisa (Heloisa Perissé), mas a abandona porque cai na teia de Carminha (Adriana Esteves). Ele se relacionará com ela e formará sua própria família.

Jorginho (Cauã Reymond) – Filho adotivo de Carminha (Adriana Esteves) e Tufão (Murilo Benício). É jogador de futebol, mas nunca conseguiu chegar à primeira divisão do futebol carioca. Não tem muito talento dentro de campo. Cativante e dono de um bom caráter, Jorginho tem um quê de recatado e discreto. Ele também viveu no depósito de lixo quando criança, época em que era conhecido como Batata. Ele não se entende com a mãe adotiva. Mas tem um enorme carinho por Tufão. Jorginho foi o primeiro amor de Rita (Mel Maia) na infância de ambos.

Leleco (Marcos Caruso) – Pai de Tufão (Murilo Benício). Enquanto sua esposa, Muricy (Eliane Giardini) trabalhava para criar os filhos, o amável e boêmio Leleco (Marcos Caruso) passava as tardes jogando sinuca e papeando nos bares. O hedonismo é a sua bandeira.

Muricy (Eliane Giardini) – Mãe de Tufão (Murilo Benício) e Ivana (Letícia Isnard) . A matriarca tem bom coração e excelente caráter, mas adora um deboche. A criação de seus filhos veio de sua barraca de camelô que manteve na Central do Brasil. Com a ascensão econômica de Tufão, não resiste ao deslumbramento desta nova vida.

Ivana (Letícia Isnard) – Extrovertida e inocente, a irmã de Tufão (Murilo Benício) é mais uma a levar uma boa vida proporcionada pelo ex-jogador. Passou de empregada doméstica a perua. Ela comete vários exageros nas compras e na alimentação. Ivana vive de dieta. Ela se apaixona por Max (Marcelo Novaes), sem saber do risco que corre ao lado do vilão.

Ágata (Ana Karolina) – Desajeitada, a filha de Carminha (Adriana Esteves) é insegura e vive com a auto-estima abalada. A relação com a mãe é problemática, mas se dá muito bem com o padrasto, Tufão ( Murilo Benício). É doce e inteligente, além de ter talento para a culinária.

Conceição (Vilma Melo) – Empregada da família.

Adauto (Juliano Cazarré) – Analfabeto e solitário, Adauto é um amigo esquisitão de Tufão (Murilo Benício). É o zelador do Divino Futebol Clube e esconde uma grande paixão por Muricy (Eliane Giardini).

Tessália (Débora Nascimento) – É uma mulher lindíssima e chama a atenção por onde passa. Boa gente, sincera e romântica. Mesmo sem muitas pretensões, ganha um concurso de beleza no bairro do Divino.

O Divino

Monalisa (Heloisa Perissé) – Nascida na Paraíba, Monalisa chegou ao Rio de Janeiro sem nenhum tostão no bolso. Com muita fibra e disposição, conquistou muitas coisas com o trabalho de cabeleireira. Carismática e passional, a divertida Monalisa é apaixonada por Tufão (Murilo Benício). Os dois ficam noivos no começo da história. Porém a chegada de Carminha (Adriana Esteves) acaba com os planos do casal  Monalisa deixa o Rio de Janeiro após se separar do grande amor de sua vida, Tufão. Ela adota Iran (Bruno Gissoni), que conhece durante um acidente que ocorre em sua viagem de volta à Paraíba.

Silas (Ailton Graça) – É o dono de um carro de mensagem que circula pelo bairro. É boêmio e adora uma farra. É pai solteiro de Darkson (José Loreto).

Iran (Bruno Gissoni) – Jovem e talentoso jogador de futebol. Filho adotivo de Monalisa (Heloisa Perissé). Iran faz um enorme sucesso com as mulheres e a mãe morre de ciúmes do rapaz. Ele chega ao Divino na companhia da mãe, que resolve voltar da Paraíba e se instalar, permanentemente, no Rio de Janeiro.

Darkson (José Loreto) – A grande paixão de Darkson é o rap. Enquanto não consegue viver de sua música, trabalha fazendo propaganda, ao microfone, da loja de Diógenes (Otávio Augusto), localizada no bairro do Divino. Ele faz muito sucesso no bairro com as mulheres.

Olenka (Fabiula Nascimento) – Impulsiva e durona, Olenka é parceira e amiga de Monalisa (Heloisa Perissé). É uma cabeleireira autêntica, sem papas na língua e extremamente sincera. Essas características chegam a afugentar algumas clientes.

Leandro (Thiago Martins) – Carismático e com caráter duvidoso, Leandro chega ao Divino para fazer parte do time do clube. É apaixonado por Suéllen (Isis Valverde). Como não consegue viver da renda de jogador de futebol, trabalha também como gari.

Suéllen (Isis Valverde) –Se existe um modelo de “maria chuteira”, Suéllen é a mais indicada. Trabalha na loja de Diógenes (Otávio Augusto), mas está longe de ser uma funcionária dedicada. Suéllen não tem bom caráter.

Diógenes (Otávio Augusto) – O fechadíssimo Diógenes é dono de uma loja de artigos femininos. Mas a sua renda também vem da agiotagem. É pai de Roniquito (Daniel Rocha) e o seu sonho é que o rapaz seja um bem-sucedido jogador de futebol.

Roniquito (Daniel Rocha) – Divertido e bonitão, Roniquito é amigo e braço direito de Monalisa (Heloisa Perissé).

Lúcio (Emiliano D’ávila) – Preguiçoso e malandro. É o filho mimado de Janaína (Claudia Missura) e sempre que pode arruma um jeitinho de fugir do trabalho. É um playboy do subúrbio.

Janaína (Claudia Missura) – Mãe solteira de Lúcio (Emiliano D’ávila). É batalhadora e faz de tudo para que seu filho tenha uma boa vida.

Brigitte (Luana Martau) – O seu grande sonho é conseguir descobrir os segredos do creme capilar de Monalisa.

Lixão

Lucinda (Vera Holtz) – Generosa e dona de um coração de ouro, Lucinda é conhecida como a Mãe do Lixão. Bem-humorada, ela já criou dezenas de crianças numa casa construída com objetos encontrados no próprio ambiente onde vive. Ela sempre abrigou Batata (Bernardo Simões) e abre mão de algumas regras para receber Rita (Mel Maia) em sua casa. A amizade com a menina se estende até a vida adulta, quando ela se torna Nina (Débora Falabella).

Batata (Eduardo Simões) – Criado por Lucinda (Vera Holtz), o menino vive no lixão. Ele ajuda Rita (Mel Maia) a sobreviver naquele ambiente.Batata será adotado por Tufão (Murilo Benício) e Carminha (Adriana Esteves) e ficará conhecido como Jorginho (Cauã Reymond).

Nilo (José de Abreu) – É um homem cheio de defeitos e pavoroso. Ele é vizinho de Lucinda (Vera Holtz) e disputa espaço com a Mãe do Lixão. Nilo também é cercado de crianças, que recebem um tratamento muito diferente daquelas que são criadas por Lucinda. É cúmplice de Max (Marcelo Novaes) e Carminha (Adriana Esteves).

Picolé (João Fernandes Nunes) – É também um menino do lixão. Ele vive na casa de

Lucinda (Vera Holtz) e é ajudado por Jorginho (Cauã Reymond).

Rei (João Pedro) – É uma criança que vive na casa de Lucinda (Vera Holtz) infiltrado por Nilo (José de Abreu).

Cadinho e suas famílias

Cadinho (Alexandre Borges) – Bonitão, extrovertido e carismático. Assim é Cadinho, um empresário bem-sucedido do mercado financeiro. O seu grande defeito está no campo afetivo, já que mantém relacionamentos estáveis com três mulheres - Verônica (Deborah Bloch), Noêmia (Camila Morgado) e Alexia (Carolina Ferraz) -  ao mesmo tempo. Apesar disso, desempenha bem o papel de marido ciumento e pai zeloso dos filhos que teve com as três parceiras secretamente.

Jimmy Bastos (Felipe Abib) – Sócio de Cadinho (Alexandre Borges) que promete movimentar bastante a vida do empresário.

Verônica (Deborah Bloch) – Primeira mulher de Cadinho(Alexandre Borges). É uma perua consumista que esconde, por baixo de uma personalidade fútil, um grande coração. É romântica e sonhadora. É a boa e velha “Amélia”. É mãe de Débora (Nathalia Dill).

Noêmia (Camila Morgado) – Segunda mulher de Cadinho (Alexandre Borges). É o oposto de Verônica. Bonita e discreta, ela tem um gosto refinado. Conheceu Cadinho em um curso de filosofia. É sustentada pelo parceiro e vive em uma mansão próxima ao Rio de Janeiro. É mãe Tomás (Ronny Kriwat)

Alexia (Carolina Ferraz) – Terceira mulher de Cadinho (Alexandre Borges). Uma socialite que sempre sonhou em ser mãe. Tenta dar um golpe em Cadinho, mas a sua investida muda completamente os rumos de sua vida. É mãe Paloma (Bruna Orphao).

Débora (Nathalia Dill) – Filha de Cadinho (Alexandre Borges) e Verônica (Deborah Bloch). Extrovertida, a “garota zona sul” é namorada de Jorginho (Cauã Reymond). Débora é uma talentosa acrobata. Ela tem uma forte personalidade e é apaixonada por futebol.


Tomás (Ronny Kriwat) – Filho de Cadinho (Alexandre Borges) e Noêmia (Camila Morgado). O rapaz cresceu à sombra do pai e é um verdadeiro “mauricinho”. Noêmia não sabe onde errou na criação do rapaz e se decepciona com a personalidade tão materialista do filho.

Paloma (Bruna Orphao) – Filha de Cadinho (Alexandre Borges) e Alexia (Carolina Ferraz). Está quase saindo da infância, mas a personalidade é fortíssima. Inteligente e boa com as palavras, a menina consegue ter todos os seus pedidos atendidos.

 
Legenda 1: Débora Falabella – TV Globo/ João Miguel Junior

Legenda 2: Cauã Reymond e Grazi Massafera – TV Globo/ João Miguel Junior

Legenda 3: Bruno Gissoni – TV Globo/ João Miguel Junior





Mais informações www.redeglobo.com.br

MOVIMENTO DOWN

PORTAL NA INTERNET TERÁ CONTEÚDO INÉDITO SOBRE SÍNDROME DE DOWN

 Em parceria com universidades, instituições e empresas, plataforma será a primeira com acessibilidade intelectual a indivíduos com SD

 
As estatísticas revelam que a cada 800 partos nasce uma criança com Síndrome de Down. Apesar dessa expressiva taxa de ocorrência, ainda é grande no Brasil a dificuldade de acesso a informações, profissionais e aparatos necessários para o pleno desenvolvimento de crianças nessa condição. Mãe da pequena Beatriz, a advogada mineira Maria Antônia Goulart se deparou com esta preocupante realidade há um ano e meio, depois do nascimento da filha. E partiu não só em busca de conhecimento como decidiu compartilhá-lo com outras mães e familiares na mesma situação e, de forma pioneira, com as próprias pessoas com SD. Da sua obstinação nasceu o portal Movimento Down (www.movimentodown.org.br), com patrocínio da Amil, que a partir do dia 21 de março, quando entra no ar, promete se transformar em fonte de referência no país para todos aqueles que buscam informação, orientação e um espaço de discussão sobre a Síndrome de Down.

Para dar forma ao projeto, Maria Antônia iniciou há oito meses a mobilização de uma extensa rede de colaboradores – entre profissionais, instituições e empresas, além de familiares e amigos de pessoas com SD –, para desenvolver, de maneira inédita, conteúdo qualificado e ao mesmo tempo acessível para este amplo universo de indivíduos. “Ao mesmo tempo em que ficamos felizes com o excelente desenvolvimento da Beatriz, nos angustiamos com o fato de que somos parte de uma minoria que tem acesso às informações e meios de atendimento ideais. Isso nos motivou a querer difundi-los da forma mais abrangente possível”, explica Maria Antônia.

A data de lançamento do site não foi escolhida ao acaso: desde 2006, 21 de março é o Dia Internacional da Síndrome de Down no Brasil e em cerca de 40 países. A partir deste ano, terá um alcance ainda maior, pois será celebrado pela primeira vez em mais de 193 nações, graças à moção apresentada pelo Brasil na ONU e aprovada por consenso. “Desde que foi instituída, a ideia do 21/3 é que seja voltado para as próprias pessoas com Síndrome de Down. É uma oportunidade para que falem por si próprias. Elas têm a palavra para dizer quais suas necessidades, seus sonhos e de que forma podermos ajudá-los a serem cada vez mais inseridos na sociedade”, enfatiza Patrícia Almeida, integrante do conselho da Down Syndrome International e colaboradora do Movimento Down.

O portal será lançado oficialmente em Brasília, onde haverá uma sessão solene no Salão Negro do Congresso Nacional para comemorar a data. Neste mesmo dia será realizada na sede da ONU, em Nova Iorque, a conferência ‘Construindo o nosso futuro’, com expressiva participação brasileira. Os jovens da Associação Carpe Diem, de São Paulo, foram convidados para lançar o livro de sua autoria Mude o seu falar que eu mudo o meu ouvir, guia de acessibilidade na comunicação para pessoas com deficiência intelectual. A publicação, primeira no gênero em todo o mundo, terá edições em português e inglês. A entidade é uma das que apoiam o Movimento Down na produção de material acessível para o portal.

Um dos principais diferenciais da plataforma é sua acessibilidade intelectual. Frequentemente confundida com incapacidade, a deficiência não impede o desenvolvimento de uma vida normal e plenamente autônoma, desde que as pessoas nessa situação sejam tratadas dignamente e estimuladas a desenvolver todas as suas potencialidades. Assim, nada mais natural do que transformar o objeto do portal também em sujeito ativo: Breno Viola, 31 anos, que tem Síndrome de Down, é coordenador de conteúdo e um dos principais entusiastas do site. Em seu currículo estão feitos impressionantes. Primeiro judoca com SD a se tornar faixa preta nas Américas, esporte que pratica desde os três anos de idade, Breno alcançou o segundo Dan da Faixa Preta em 2007, tornando-se o primeiro Down a atingir este grau em todo o mundo. Praticou ainda outras modalidades esportivas como vela, jiu-jitsu e natação. Nesta última, foi medalhista no IV Campeonato Brasileiro Especial de Natação, em 2000, e nos III Jogos Nacionais das Olimpíadas Especiais, dois anos depois. Participa, de forma atuante, em diversos eventos e campanhas em favor da inclusão social da SD, entre desfiles, conferências, encontros, concursos e shows. Breno ainda poderá ser visto em breve no cinema como um dos protagonistas do longa ‘Os colegas’, que entra este ano em circuito e foi vencedor do Prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Paulínia, em 2008. “Breno é o exemplo de que os limites impostos pela Síndrome de Down não são definitivos e pré-estabelecidos. Como qualquer pessoa, quem tem SD apresenta aptidões distintas e diferentes graus de desenvolvimento. Por isso o estímulo motor e intelectual e o cuidado com a saúde são tão importantes”, esclarece Maria Antônia.

Com base nessas constatações, a saúde ganhou papel de destaque no portal. Explicações detalhadas sobre os cuidados necessários com a criança, desde o seu nascimento, estão dispostas através de uma linha do tempo, dividida por faixa etária. O internauta terá a chance de controlar os marcos de desenvolvimento de cada idade, assim como encontrar serviços públicos e privados relacionados por região. O usuário poderá também fazer uma avaliação deste atendimento, o que, através de parcerias firmadas com as diversas instâncias do governo, poderá servir como parâmetro para a implementação de melhorias. Haverá ainda informações sobre terapia ocupacional, fisioterapia, fonoaudiologia, psicomotricidade, psicopedagogia, psicologia, equoterapia e hidroterapia, entre outras especialidades terapêuticas, além de dicas para brincadeiras e estimulações que podem ser feitas em casa.

As atividades do Movimento Down não ficarão restritas à internet. Um censo pioneiro, atualmente em curso na comunidade da Maré e realizado em parceria com a entidade Redes de Desenvolvimento da Maré, servirá como piloto para o início de um mapeamento inédito da Síndrome de Down que irá ajudar na criação de novas políticas públicas de atendimento. Paralelamente, está sendo criada uma brinquedoteca, em conjunto com o Curso de Terapia Ocupacional da UFRJ, onde serão formados profissionais de terapia ocupacional e desenvolvidos brinquedos e brincadeiras para auxiliar no desenvolvimento das crianças com SD. Maria Antônia alerta que “é importante que as ações extrapolem o âmbito da web. Uma esfera precisa alimentar a outra para que haja reais avanços para a autonomia e plena inclusão social de todos com Síndrome de Down”.

 

Todo Mundo Pode Mais na Semana da Inclusão Digital 2012

Evento anual do CDI, que acontece de 19 a 24 de março, convoca a sociedade a atuar como agentes de transformação e fazer a diferença na vida de pessoas e comunidades


Rio, Março de 2012 - Todo Mundo Pode Mais. Esse é o tema da 12ª edição da Semana da Inclusão Digital (SID), evento realizado anualmente pelo Comitê para a Democratização da Informática (CDI). O objetivo é promover uma série de iniciativas de mobilização social e voluntariado, com ênfase no uso de tecnologia. 

A SID acontecerá no período de 19 a 24 de março e visa promover atividades nos 17 estados e no Distrito Federal, onde o CDI está presente, além dos demais 11 países onde atua. No CDI Inglaterra, por exemplo, a ideia é envolver parte dos alunos das 40 escolas que participam do programa Apps for Good, que cria aplicativos para smartphones na solução de problemas locais.

Nessa edição, nove CDIs Comunidade (espaços informais de ensino de informática e cidadania), seis deles em comunidades pacificadas, serão palco de atividades como workshops e palestras, promovidos por empresas e organizações do Terceiro Setor – parceiras da ONG -, que participarão como voluntárias.  O CDI, cujo slogan é “transformando vidas através da tecnologia” quer convidar as pessoas a atuarem como agentes de transformação e a fazerem a diferença na vida de outras pessoas e comunidades, afinal “Todo Mundo Pode Mais”. 

No Rio de Janeiro, o evento principal ocorrerá no dia 20, no CDI Comunidade Francisco, na Fundição Progresso, na Lapa, que abrigará debates e palestras - abertos ao público -, que discutirão como as diversas ferramentas tecnológicas e de mobilização social podem contribuir para a transformação individual e coletiva.

A campanha "Todo Mundo Pode Mais" é assinada pela agência Script e busca identificar novos agentes de transformação, pessoas que superaram desafios e agora têm a oportunidade de compartilhar suas histórias e, assim, inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. Para isso, basta acessar o site (www.cdi.org.br), clicar no ícone Agente de Transformação, na parte superior da página, e contar sua história de sucesso.

Durante o evento, também será trabalhada a 4ª edição do Guia para o Uso Responsável da Internet (Guri), em parceria com  a GVT, patrocinadora oficial do evento, que tem por objetivo auxiliar crianças,  jovens, pais e professores a navegarem na internet de forma segura. Crianças e jovens dos CDIs Comunidades participantes da Semana poderão participar de um Quiz (jogo de pergunats e respostas) sobre o conteúdo do Guia. Serão premiados o 1º, 2º e 3º lugares com máquina digital, pen drive e kit GVT respectivamente.

O Guri traz um glossário com os principais termos do mundo tecnológico, dicas de comportamento saudável na web, histórias em quadrinhos com cunho educativo e um capítulo especial sobre riscos que a rede pode proporcionar, caso seja mal utilizada.

Confira a programação inicial:
- 2ª feira - 19/03 - CDI Comunidade CIEE – Centro Integrado Empresa Escola e CDI Comunidade Caps Lima Barreto (unidade que trabalha com usuários da saúde mental) – Bangu
- 3ª feira – 20/03 - CDI Comunidade Francisco – Fundição Progresso – Lapa (programação detalhada abaixo)
- 4ª feira – 21/03 - CDI Comunidade Asvi – Cidade de Deus e CDI Comunidade Ceaca-Vila – Morro dos Macacos – Vila Isabel
- 5ª feira – 22/03 - CDI Comunidade ICP – Morro da Providência – Centro e CDI Comunidade São Joaquim – Morro do Borel – Tijuca
- 6ª feira – 23/03 - CDI Comunidade Inpar – Cidade de Deus e CDI Comunidade Cacef – Morro do São Carlos – Rio Comprido

Fundição Progresso – Evento principal – dia 20/03:

10h00 as 10h10 _ Abertura CDI
10h10 as 10h50 _ Apresentação Programa UPP Social (Apresentar o trabalho e as estratégias utilizadas para mobilizar diferentes atores da sociedade. Principais desafios, conquistas e parcerias, de forma a inspirar o público a participar do processo - Como as instituições articuladas podem mais!)
10h50 as 11h00 _ Composição da mesa _ Cases convidados e outras empresas interessadas (Apresentar empresas que destacadamente atuem ou estejam interessadas em atuar nas comunidades, em uma perspectiva de Negócios Sociais - Como as corporações podem mais!)
11h00 as 11h15 _ Case Coletivo Coca-Cola
11h15 as 11h30 _ Apresentação 2º case (a sugerir)
11h30 as 12h00 _ Debate _ membros da mesa e público. (Realizar um debate acerca dos desafios de promover de negócios nas comunidades beneficiadas pelo Programa UPP)
12h00 as 14h00 _ Almoço _ livre

14h00 as 14h40 _ 4 Cases do CDI - Todo Mundo Pode Mais!
14h40 as 15h10 _ Case GVT (Patrocinadora do evento) _ Como a sociedade pode fazer um uso mais qualificado da internet! _ Apresentação de destaques do projeto "Guia para o uso responsável da internet. Guri 4.0".
15h10 as 16h0 - Aspectos acadêmicos
Fundação Getúlio Vargas  – 15’ - Introdução do conceito dos Negócios Sociais. Como os Empreendedores Podem Mais! Apresentar o panorama geral, no Brasil e no mundo. Situação legal e perspectivas de crescimento.
Rio Como Vamos – 15’ - Como a sociedade pode se apropriar de indicadores para promover iniciativas de maior impacto social.
Debate _ 20’
16h00 as 16h50 - Ferramentas de mobilização de recursos
Meu Rio e Purpose – 15’ - Como poder mais utilizando as mídias sociais.
IBM – 15’ - Como as novas tecnologias podem contribuir no processo de mobilização social.
Debate _ 20’
16h50 as 17h40 - Sociedade Civil com uma causa
Sul América – 15’ - Como as instituições unidas por um propósito podem ampliar seu alcance e se aproximar mais da sociedade.
Rio Eu Amo Eu Cuido – 15’ - Como conscientizar mais cariocas e entusiastas da cidade maravilhosa sobre a importância dos pequenos gestos que estão ao alcance de todos e são capazes de transformar a cidade.
Debate _ 20’
17h40 as 18h00 – Encerramento
18h00 as 20h00 – Coquetel

 

Siga @rede_globo e curta www.facebook.com.br/redeglobo