As Cariocas: escolha o seu botton preferido e espalhe nas redes sociais

São dez opções que vão fazer você se lembrar para sempre do Rio

Em As Cariocas, cada bairro do Rio de Janeiro tem sua história. Para guardar todos os momentos da série, confira o aplicativo de bottons de todos os episódios e faça o download do seu preferido. Os usuários da rede social Facebook podem escolher entre Gleicy, a Internauta da Mangueira; Michele, a Desinibida do Grajaú; Clarissa, a Atormentada da Tijuca; Júlia, a Adúltera da Urca; Marta, a Iludida de Copacabana; Maria Teresa, a Traída da Barra; Nadia, a Noiva do Catete; Alice, a Suicida da Lapa; Celi, a Vingativa do Méier e Cris, a Invejosa de Ipanema  - cada uma com um estilo completamente diferente.

Depois de escolher aquele que mais combina com você, basta compartilhar o botton no seu mural e se divertir! São dez opções que vão fazer você se lembrar para sempre do Rio de Janeiro e suas belezas.


Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.

UNESCO e TV Globo lançam o livro "Criança Esperança - 25 anos criando oportunidades"

Para celebrar os 25 anos do Criança Esperança, a UNESCO e a TV Globo lançaram na manhã desta quinta-feira, dia  21/10, na sede da emissora em São Paulo, um livro que conta a trajetória do projeto. O livro traz histórias de crianças, adolescentes e jovens que tiveram suas vidas transformadas a partir da participação em projetos apoiados pelo Criança Esperança em todas as regiões do país ao longo dos anos, possibilitando que encontrassem caminhos e alternativas para vidas cujo futuro muitas vezes era marcado pela ausência de esperança.

O lançamento aconteceu durante o debate "Participação Social e Construção do Desenvolvimento Humano no Brasil -  a contribuição das organizações não governamentais", moderado por Zeca Camargo e transmitido ao vivo por meio do site do Criança Esperança. Na ocasião, estavam presentes José Roberto Marinho, Vice-Presidente de responsabilidade social das Organizações Globo, Vincent Defourny, Representante da UNESCO no Brasil, o Governador do estado de São Paulo, Alberto Goldman, o Prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e Fernando Rossetti, Secretário Geral do GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas), entre empresários e representantes de organizações não governamentais.

Na abertura da cerimônia, Vincent Defourny, Representante da UNESCO no Brasil, ressaltou a originalidade do formato da parceria privada, pública e internacional. "Como organização internacional, acho que podemos compartilhar com o setor privado em prol do bem comum, e a parceria também com o poder público cria a cidadania e o desenvolvimento da comunidade", ressaltou Defourny.

Já Fernando Rossetti, do GIFE, falou sobre o exemplo do Criança Esperança. "O projeto articula muito bem o investimento empresarial com a mobilização da sociedade, que doa e acompanha como estes recursos são usados", disse Rossetti. Para o Prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, as parcerias de qualidade são fundamentais para o sucesso do investimento social. "O Criança Esperança traz resultados efetivos, contribuindo diretamente para o bem da sociedade civil", afirmou Kassab. O Governador Alberto Goldman completou dizendo que "mais do que os recursos, o importante é o sentimento de solidariedade, o impacto que a ação causa na sociedade".

José Roberto Marinho, Vice-Presidente de responsabilidade social das Organizações Globo, pontuou a importância da alfabetização até os 8 anos de idade e sobre a emoção de trabalhar em prol das crianças. "A parceria com a UNESCO é fundamental para a gestão do Criança Esperança, no desenvolvimento de sistemas e métricas, fato este difícil, mas necessário, quando se lida com questões da infância", concluiu José Roberto Marinho.   

Na sequência do evento, Marlova Jovchelovitch Noleto, coordenadora do setor de Ciências Humanas e Sociais da UNESCO no Brasil, falou sobre a criação do livro. "Ele nasceu do desejo de contarmos toda a trajetória do programa. O livro traz histórias de vidas transformadas, a criação do projeto tendo o Unicef como parceiro inicial, a entrada da UNESCO, tudo alinhado ao contexto do Brasil até 2010", disse Marlova.

Participaram como debatedores o economista-sênior do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e Coordenador do Relatório de Desenvolvimento Humano Brasil, Flávio Comim; a professora Maria do Carmo Brant, Superintendente do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC); e o fundador da Central Única das Favelas (CUFA), Celso Athayde.

Sobre o livro Criança Esperança - Criando Oportunidades

A publicação foi organizada em 25 capítulos um para cada ano de existência do Criança Esperança. E cada capítulo inicia com a história de vida de uma criança, um adolescente ou um jovem de 1 a 24 anos representando os 4 milhões de meninos e meninas atendidos ao longo de todo o período. O primeiro capítulo é sobre a Pastoral da Criança e faz uma homenagem a sua fundadora, dra. Zilda Arns, morta em janeiro de 2010. O último capítulo relata os principais aspectos do Criança Esperança.

Cada capítulo possui uma seção chamada Contexto, uma seleção dos principais fatos ocorridos na área da infância e da juventude naquele ano (de 1986 a 2009). Essa seção faz um link entre a atuação do Criança Esperança e fatos relevantes para a infância e a juventude no Brasil nos últimos 25 anos. Para a edição desses fatos foram usadas diversas fontes de pesquisa que estão disponíveis na bibliografia do livro.

É por meio dessas referências que fica clara a participação do Criança Esperança em alguns dos movimentos que resultaram em conquistas importantes para a infância e a juventude brasileiras. A mobilização no Congresso Nacional para a inclusão dos direitos dessa população na Constituição de 1988 é um exemplo. Há ainda a campanha de divulgação sobre o direito de as crianças obterem certidão de nascimento gratuitamente. Mais recentemente, há as campanhas de conscientização sobre a importância da educação, para citar algumas iniciativas.

Também é possível encontrar nos 25 capítulos do livro depoimentos de pessoas que fizeram parte da trajetória do Programa em diferentes momentos e que ajudaram e, em alguns casos, ainda ajudam  a escrever esta história de sucesso. Importantes nomes como Renato Aragão, Viviane Senna, Nizan Guanaes, Agop Kayayan, entre tantos outros de diferentes áreas da sociedade brasileira.

Um blog com informações sobre o livro e declarações de representantes das ONGs beneficiadas pelo projeto já está no ar, com um espaço especial para que os internautas deixem perguntas sobre o tema do debate. Depois do evento, algumas perguntas poderão ser respondidas pelos participantes das mesas. Para participar, basta acessar o site www.criancaesperanca.com.br

Legenda 1 - Vincent Defourny, da Unesco, abre o evento 
Legenda 2 - José Roberto Marinho encerra a cerimônia

Crédito: TV Globo/ TV Globo / Zé Paulo Cardeal


Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.

Afinal, O que Querem as Mulheres?!

 Blog de André Newmann entra no ar para lançar nas redes sociais: ‘Afinal, O que querem as Mulheres?!’, um seriado dirigido por Luiz Fernando Carvalho; escrito por João Paulo Cuenca, com co-autoria de Cecília Giannetti e Michel Melamed; e texto final do próprio diretor.

No espaço, o protagonista da série vai expor seus sentimentos e as inúmeras reflexões que o acompanharão ao longo desta jornada em busca da resposta para a pergunta que nem Freud conseguiu responder: o que querem as mulheres?

 

O blog de André Newmann fica no ar até o dia 16 de dezembro - dia do último capítulo da série – e os internautas estão mais que convidados a participar desta deliciosa viagem ao universo dos mistérios femininos. O ineditismo da ação fica por conta da alimentação de posts e interação com o público, que será realizada durante todo o tempo pelo próprio personagem.



A série

A partir do dia 11 de novembro, o novo seriado - de seis episódios - mostra a trajetória do psicólogo André Newmann (Michel Melamed), que busca mulheres que possam responder a pergunta de Freud, sempre aconselhado pelo seu orientador-psicanalista Dr. Klein (Osmar Prado). O objetivo é terminar sua pesquisa para tese de doutorado.

O problema é que André não vê Dr. Klein como uma figura normal: ele é a única pessoa que enxerga o psicanalista como se fosse o verdadeiro Freud em pessoa.

André se dedica tanto à pesquisa que, aos poucos, vê seu casamento com a artista plástica Lívia (Paola Oliveira) entrar em crise.

Às vésperas de apresentar o resultado de seu trabalho, as emoções se misturam na vida pessoal de André, que precisa contar com a ajuda de sua supermãe, Celeste (Vera Fischer), e com os amigos Zing (Rodrigo Pandolfo), Miguel (Antonio Karnewale) e Laura (Alessandra Colassanti) para ultrapassar esta fase.

André consegue terminar sua tese, que logo se transforma em um best seller, atraindo fama, sucesso e até uma ninfeta russa, Tatiana Dovichenko (Bruna Linzmeyer).

Isto parece o fim, mas é apenas o começo! 

Será que André conseguirá responder a pergunta que Freud morreu fazendo?

Afinal, o que querem as mulheres?

  
Os Personagens

André Newmann (Michel Melamed) – Psicanalista em processo de finalização de sua tese de doutorado em psicologia.

Dr. Klein (Osmar Prado) – Orientador-psicanalista de André Newmann

Lívia (Paola Oliveira) – Artista plástica e esposa de André Newmann

Celeste (Vera Fischer) – Mãe de André Newmann

O elenco também conta com Rodrigo Pandolfo, Antonio Karnewale, Alessandra Colassanti, Bruna Linzmeyer, Letícia Spiller, Tarcísio Meira, Rodrigo Santoro, Maria Fernanda Cândido, Eliane Giardini e Letícia Sabatella, entre outros.



Legenda: Lívia (Paola Oliveira)

Legenda: André Newman (Michel Melamed)

Crédito: Divulgação TV Globo

Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.

Clandestinos - o sonho começou

 Esta é uma história “sobre esses moços e moças que sonham nessa cidade esse sonho de ser artista”. A fala de um dos personagens da série apresenta com propriedade o tema do programa que vai além da arte e fala a todos da jornada seguida pela juventude em busca de seus objetivos. A história surgiu quando João Falcão escutava relatos de jovens que buscavam em um teste para o teatro o ponto de partida para o sucesso. A peça virou sucesso de público e crítica, ganhou os prêmios APTR (Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro) de melhor autor, Qualidade Brasil de melhor direção em comédia e agora ganha adaptação para a TV .

A atração semanal de sete capítulos estreia dia 04 de novembro e vai ao ar todas as quintas-feiras, logo após ‘A Grande Família’, com texto de João Falcão, que assina também a direção-geral, direção de Flavia Lacerda e direção de núcleo de Guel Arraes.

Depois de contar suas histórias em uma trajetória de sucesso no teatro, o mesmo grupo de atores foi escolhido por João Falcão para a adaptação em TV. “Eu queria pessoas que estivessem representando algo que eles estariam vivendo de verdade”, explica João. Embora estreantes em televisão, a diretora Flávia Lacerda garante que não houve dificuldades na hora das gravações: “Eles são excelentes atores, o que torna mais fácil o ajuste para a mídia televisiva. Até porque eles já tinham essa longa vivência dos personagens”, garante.

Ao contrário do processo tradicional de criação de um roteiro, em 2008, João Falcão decidiu compor seu enredo a partir dos personagens. Foi então que publicou na internet um chamado para um teste de seleção de elenco para jovens de 18 a 28 anos. Em resposta, centenas compareceram ao teste e, após ter o elenco escolhido, as histórias foram escritas com base na entrevista e convívio com os rapazes e moças, dando então origem a ‘Clandestinos - o sonho começou’.

 A partir daqui, realidade e ficção se confundem, assim como criatura e criador. A partir de suas experiências de vida, seus medos, pontos fortes e fracos de cada candidato, os atores trouxeram aspectos únicos para seus papéis. As dificuldades de montagens de uma peça, orçamento, dilemas de diretor/autor e produtores são também exibidos de uma maneira divertida e poética. A montagem apresenta os personagens de maneira dinâmica, utilizando-se do artifício do flashback para desenhar por completo o perfil de cada um deles.

Os personagens levam o mesmo nome dos atores que os interpretam, deixando ainda mais tênue a definição do que é real e ficcional na série. Para apresentá-los, cenógrafa, figurinista e caracterizadora trabalharam juntos com João Falcão e Flavia Lacerda para desenvolver artifícios que distinguissem a história de cada um deles de uma forma criativa, inovadora e bem humorada.

À procura de uma história

Fábio (Fábio Enriquez) é autor e diretor de teatro e resolve fazer um teste de elenco para sua próxima peça. Sem história, orçamento ou um planejamento, ele publica uma convocação para audições na internet. O chamado acaba surtindo um efeito melhor do que o esperado: um mar de gente formando uma fila na porta do teatro na hora do teste. Jovem muito sonhador e idealista, Fábio (Fábio Enriquez) conta com sua fiel assistente e produtora, Elisa (Elisa Pinheiro), para ajudá-lo a tomar decisões e organizar suas ideias. Como os dois já viveram um romance no passado, suspeita-se que a motivação do convite seja mais do que profissional.

Os candidatos ao teste são verdadeiros personagens de mundos muito diferentes, mas com algumas semelhanças: jovens que acreditam no seu talento e alimentam o mesmo sonho de viver da sua arte.
  
A história destes moços e moças

Já na fila formada à porta do teatro, é possível conhecer um pouco mais sobre a história de cada um dos candidatos. Eduardo (Eduardo Landim), por exemplo, tem 17 anos e foi criado por sua avó, que é a sua maior preciosidade e está muito doente. Persistente, busca uma saída para os papéis estigmatizados para negros para os quais ele sempre foi escolhido, desde a época de teatrinho da escola.

A mineira Adelaide (Adelaide de Castro) vem de uma família humilde. Saiu de Três Rios com o dinheiro contado apenas para fazer o teste no Rio de Janeiro. Dotada de um olhar romântico em relação à cidade, tem a certeza que vai esbarrar com Fábio Assunção assim que pisar lá. Já as gêmeas Giselle (Giselle Batista) e Michelle (Michelle Batista) enfrentam um dilema de querer conquistar carreiras independentes e deixarem assim de ser “a mesma pessoa”. Conhecidas pelo papel que interpretaram em ‘Malhação’ como irmãs gêmeas, já tentaram ser diferentes, mas quanto mais tentam se distanciar, mais sucesso fazem juntas.

Ao longo dos episódios, serão mostradas outras realidades. Como a de Junior (Junior Vieira), jovem ator negro, filho de diplomata. Viveu muito pouco no Brasil, mas deseja interpretar um verdadeiro bandido em cena e vai convencer Fábio (Fábio Enriquez)  de seu talento de uma forma bem convincente. Já a nordestina não assumida Chandelly (Chandelly Braz) vem para o Rio sonhando com o sucesso e acredita que só aprendendo o sotaque carioca vai conseguir seu espaço como atriz. Ela trabalha em uma lanchonete onde conhece Edmilson (Bruno Heitor). Ele se apaixona pela moça de Olinda e vai fazer de tudo para realizar seu desejo, até ensiná-la a falar “carioquês”.

Fábio (Fábio Enriquez)  consegue reunir também pessoas com os mais diversos talentos, como é o caso de Marcela (Marcela Coelho). Do interior de Minas, ela saiu de casa para estudar teatro e seu forte está nos musicais. O mesmo vale para o baiano “branquinho”, Emiliano (Emiliano D´Ávila), que é fã de Daniela Mercury e sabe dançar axé, jogar capoeira e mexer com as mulheres como ninguém.

Encontros inesperados

A cada teste, Fabio fica mais ansioso por novos relatos de vida e Elisa (Elisa Pinheiro) mais aliviada pela previsão de fim das audições. Para surpresa do diretor, alguns personagens de seu passado responderão à convocação de elenco. Um deles é Hugo (Hugo Leão), amigo com quem contracenou no teatro na época de escola, em Brasília, e de quem acababou se afastando por motivos que ele prefere não revelar.

Fábio (Fábio Enriquez)  também irá rever uma ex-namorada da época de faculdade, Nanda (Nanda Costa). A ideia de fazer uma peça sobre atores iniciantes foi compartilhada com ela, no passado, mas ficou esquecida a partir do momento em que ela passou em um teste para televisão que acabou separando o casal. A presença da atriz irá abalar o diretor e instigar o ciúme de Elisa (Elisa Pinheiro).

Outra surpresa será o reaparecimento de Luana (Luana Martau), que foi apresentadora mirim de um programa de TV quando tinha 11 anos e dividia o palco com alguns meninos, um deles era o Fábio (Fábio Enriquez). Desequilibrada, ela culpa-o pelo declínio de sua carreira que começou no dia em que ele recusou o convite para ser seu par, ao vivo, no programa infantil. Convicta que este é o motivo de seu fracasso, ela retorna para cobrar dele um papel que vai trazê-la de volta aos holofotes, e usará de métodos nada convencionais para convencê-lo a cumprir seu desejo.
  
Os últimos serão os primeiros

Outro teste nada convencional será o de Alejandro (Alejandro Claveaux), que se incomoda por, após interpretar um modelo em uma novela, ter ficado estereotipado pelo público. Ele é capaz de fingir ser gago e até mesmo forjar uma amnésia para provar a Fábio (Fábio Enriquez) e Elisa (Elisa Pinheiro) que não é ator de um papel só. Já Renata (Renata Guida) é uma paulistana que veio para o Rio escalada para protagonizar uma novela, mas não chegou a gravar uma cena sequer. Sua vontade é voltar para o teatro alternativo, mas seu pai, um político milionário, utilizará suas facilidades para mudar os planos da filha.

Ao contrário de Renata, Deborah (Deborah Wood) tem o apoio de seu pai para tudo. Ele é o maior incentivador da filha para seguir a carreira de atriz. Contudo, Deborah está cansada de fazer papel de gordinha hilária e sonha em interpretar a mocinha. Em paralelo, um ator em crise comparece ao teste apesar de todas as dificuldades que sua vida impôs à sua profissão. Esse é Pedro (Pedro Gracindo), que, diante da surpresa de uma gravidez não planejada de sua esposa, acabou deixando sua profissão de lado para tornar-se pai e “dona-de-casa” por tempo integral. Com o tempo, ele passa a achar a profissão de médica seguida por sua mulher muito mais importante que a sua, mas ela não vai deixar que ele abandone seus sonhos com tanta facilidade.

Entrevista com o autor e diretor-geral João Falcão

Nascido em Recife, João Falcão traz em seu currículo autorias e direções em teatro, TV e cinema.  Sua primeira colaboração para TV Globo foi em 1995, quando entrou para a equipe de redatores de Guel Arraes, estreando a parceria no programa ‘A Comédia da Vida Privada’. Os projetos seguintes foram a adaptação da primeira microssérie da TV brasileira, ‘O Auto da Compadecida’, a criação dos programas ‘Sexo Frágil’, ‘Papo de Anjo’ e ‘Programa Novo’.  No cinema, roteirizou ‘O Coronel e o Lobisomem’, ‘A Máquina’ e ‘Fica Comigo Esta Noite’, estes dois últimos também dirigidos por ele.

Os projetos no teatro são vastos, sendo alguns deles o monólogo ‘Uma Noite na Lua’, protagonizado por Marco Nanini, ‘Quem Tem Medo de Virgínia Woolf’ e ‘A Dona da História’.

Em ‘Clandestinos’, assim como em alguns outros de seus textos (‘A Máquina’, por exemplo), observamos a presença de atores iniciantes que vivem em cidades do interior e sonham com o sucesso em uma grande cidade. A sua trajetória serve de inspiração para a criação destes personagens?
João Falcão: Sim, diretamente. Minha trajetória não só me motivou a contar estas histórias como estes personagens tem muito do que eu vivi, de certa maneira. Quando eu coloquei a chamada no site, eu queria escutar as histórias de cada um, queria saber quem eram e de onde de viriam essas pessoas que atenderiam a um chamado desses. Que histórias teriam para me contar?

Por que a escolha de atores anônimos para viver estes personagens? Não era muito arriscado?
João Falcão: Ah, mas esse risco era o que tinha de melhor. E não teria outro jeito, porque só esses atores anônimos teriam essa experiência viva ainda. Se fossem conhecidos, já estariam em outro contexto. E eu queria que as pessoas tivessem entre 18 e 28 anos, porque depois dos 28 anos, se você ainda não aconteceu nessa profissão de ator, as pessoas já pensam: “será que não é melhor eu garantir outra carreira?”. Nessa idade, pela minha experiência e de pessoas que eu conheço, é uma faixa que as pessoas investem muito nelas.

Os jovens atores do programa estão aos poucos conquistando os sonhos que tanto eles quanto seus personagens tinham em comum lá trás, na montagem da peça. Você imaginou que esta história protagonizada por atores inexperientes poderia conduzi-los ao sucesso?
João Falcão: O sucesso sim. Quando eu os escolhi, sabia que cada um tinha um talento muito forte. E foram muitos testes, tinha até muito mais gente talentosa do que eu escolhi. Então eu imaginei sim que eles fossem fazer sucesso, não necessariamente com esse texto, mas em outras peças, programas ou filmes.

Você optou por manter o elenco da peça para esta adaptação para a TV, submetendo os 14 atores a uma oficina televisiva, preparando-os para o novo formato. Como foi este processo de preparação?
João Falcão: Foi muito natural, porque eu convivo com eles há dois anos, pela amizade que temos e por nos conhecermos muito bem. Foi tão divertido, que a dificuldade natural era a que você teria em qualquer oficina do tipo. Não exatamente por eles serem jovens de teatro, mas dificuldades naturais de qualquer aprendizado.

Além do elenco, quais adaptações precisaram ser feitas para adaptar ‘Clandestinos’ para a TV?
João Falcão: A peça se passa na cabeça do autor. A criação de personagens a apartir da cabeça dele. É uma idéia que funciona bem no teatro, porém difícil de se enquadrar na televisão. A ideia da peça é quase mágica e a gente queria uma situação mais realista para a série. Foi então que o Guel e o Jorge (Furtado) tiveram a idéia de contar a história a partir da experiência que eu tinha vivenciado durante o processo de seleção dos atores para a peça.

Tem alguma curiosidade a respeito da concepção da peça e da adaptação pra TV?
João Falcão: Acho que a coisa mais curiosa é o fato de estarmos fazendo uma série baseada em fatos reais, que aconteceram durante o processo da seleção de elenco para uma peça – que, por sua vez, também é baseada em fatos reais. Enfim, essa realidade que se completar na ficção.
É um ciclo que acaba chegando na gente mesmo, porque de certa maneira é nossa historia também.

A que você atribui o sucesso desta história?
João Falcão: Acho que é uma boa idéia, é bem realizada. E custou muito trabalho e insistência para convencer nossos parceiros da TV que tínhamos algo diferente, fora dos padrões, mas que era bacana, até porque era diferente. Seguramos por dois anos uma temporada sem um nome conhecido no elenco nem patrocínio. Agora estará em cartaz simultaneamente na TV e no teatro, com o mesmo elenco “desconhecido”. Acho que isso é inédito, é provocador.
O fato de falarmos de sonhos, também causa identificação com o público. A gente não está falando só sobre a classe de atores, mas de aspirações que todo mundo tem em qualquer área que você atue na vida.

Como foi a escolha da trilha sonora?
João Falcão: A trilha sonora foi feita especialmente para o programa. As gravações são originais e foram feitas especialmente para a série, um trabalho em parceria com o Ricco Viana.
  
Os Personagens

Fábio (Fábio Enriquez) – Diretor e autor de teatro. Quer fazer uma peça na qual os personagens são os próprios atores. Sensível, costuma deixar-se levar pela emoção.

Elisa (Elisa Pinheiro) – Produtora e assistente de direção de Fábio. Tem a razão que equilibra o parceiro, organizando suas atitudes e pensamentos.

Adelaide (Adelaide de Castro) – Jovem mineira, saiu de Três Rios para fazer o teste de elenco no Rio de Janeiro. Pelos critérios usados para a ordem dos testes, ela acabou ficando para o segundo dia e, mesmo sem dinheiro e lugar para dormir, a menina se aventura pela cidade para não desistir de seu sonho.

Chandelly (Chandelly Braz) – Nordestina nada convicta. No Rio de Janeiro em busca do sucesso, acredita que seu sotaque pode ser um problema em sua carreira. Trabalha em uma lanchonete, onde conheceu Edmilson.

Edmilson (Bruno Heitor) – Carioca, abre mão de sua profissão de taxista para trabalhar com Chandelly na lanchonete, pois é apaixonado por ela.  Ele será capaz de muito mais do que imagina para realizar o sonho de sua amada.

Emiliano (Emiliano D’Ávila) – Baiano com muito orgulho, fã de Wagner Moura e Daniela Mercury, homem bonito e falador, de corpo escultural. 

Alejandro (Alejandro Claveaux) – Ficou marcado ao interpretar um modelo em uma novela e desde então não conseguiu outro papel. Para conquistar seu lugar no elenco, se passa por gago e finge perder a memória.

Giselle e Michelle (Giselle e Michelle Batista) – Gêmeas idênticas, cansaram de fazer trabalhos juntas, interpretando sempre os mesmos personagens. Lutam para ganhar espaço individualmente, deixando para trás os papéis de relacionadas.

Hugo (Hugo Leão) – Amigo de infância de Fábio. Atuaram juntos, mas acabaram se afastando por motivo ainda desconhecido e só se reencontraram no teste de elenco.

Luana (Luana Martau) – Apresentou um programa infantil quando tinha 11 anos, onde dividia o palco com o Fábio. Viveu uma adolescência complicada, se envolvendo com drogas e bebidas e culpa Fábio por seu fracasso.

Renata (Renata Guida) – Atriz paulistana de teatro que se mudou para o Rio para viver a protagonista de uma novela, mas não chegou a gravar uma cena. Tem o desejo de voltar para o teatro alternativo, mas seu pai, um político rico, acredita que ela só será famosa quando aparecer na televisão.

Eduardo (Eduardo Landim) – Jovem negro de 17 anos e olhos verdes. Foi criado por sua avó e emancipado aos 14 anos. Desde a época de teatrinho da escola já não conseguia fazer papéis que desejava, somente os estereotipados para negros.

Junior (Junior Vieira) – Jovem ator negro. Como é filho de diplomata, viveu muito pouco no Brasil. Sua grande vontade é interpretar um verdadeiro bandido em cena.

Nanda (Nanda Costa) – Fica famosa depois de um papel de destaque em uma novela. Foi namorada de Fábio na faculdade e tiveram a ideia de fazer uma peça sobre atores desconhecidos. No entanto ela acabou passando no teste para a televisão e ele seguiu com o projeto sozinho.

Pedro (Pedro Gracindo) – Ator e músico. Casa com uma médica, com quem tem um filho, mas entra em crise quando começa a achar que a profissão de sua mulher é mais importante do que a sua e deve abrir mão da carreira para cuidar da criança.

Deborah (Deborah Wood) – Moradora de Niterói, conta com o grande apoio de seu pai para seguir na carreira. Está cansada de fazer o papel da gordinha engraçada e sonha em interpretar a mocinha da história.

Marcela (Marcela Coelho) – Saiu de uma pequena cidade mineira chamada Sardoá para estudar teatro. É uma menina muito sonhadora que trabalha num orfanato para se sustentar. Tem o dom de transformar tudo em sua volta em um grande musical.

Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.

As Cariocas: viaje pelos bairros do Rio em guia de episódios interativo

Conheça as protagonistas da série e os locais que serão palco da trama.

 

A série As Cariocas, dirigida por Daniel Filho e baseada na obra homônima de Sérgio Porto, estreia na tela da Rede Globo nesta terça, dia 19. Para entrar no clima da cidade que será palco de personagens tão marcantes, criamos um guia interativo com todas as protagonistas dos dez episódios. Basta clicar na personagem ou no bairro que deseja conhecer e ainda assistir a um vídeo exclusivo que mostra o que há de bacana em cada um dos bairros da série. 


Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.

Globo News apresenta sua nova identidade visual, que estreia na próxima segunda-feira, dia 18

Nesta quinta-feira, dia 14, a Globo News - principal canal de notícias da TV por assinatura brasileira - reuniu, na sede da Rede Globo, em São Paulo, representantes do mercado publicitário, operadores de TV por assinatura e imprensa para anunciar a estreia de seu novo "on air look". A logomarca do canal e as vinhetas de todos os telejornais e programas foram reformuladas e uma nova identidade visual vai entrar no ar a partir das 6 horas da manhã de segunda-feira, dia 18.

O objetivo das mudanças é fortalecer os principais atributos do canal, tornando-o ainda mais vivo, dinâmico e interativo. “O projeto é uma mudança visual profunda, que começou há dois anos, com muita pesquisa e estudo. Formatamos uma identidade visual nova, na qual fica mais perceptível essa linguagem”, disse Carlos Henrique Schroder, que está à frente da Diretoria Geral de Jornalismo e Esporte da Rede Globo. Segundo o diretor da Globo News, Cesar Seabra, a cobertura jornalística do canal ficará cada vez mais “quente” e próxima do acontecimento. “Estamos sempre inovando. A ideia é mostrar uma notícia ainda mais clara e direta para o telespectador. Queremos explorar os fatos e todas as suas repercussões e consequências”, explicou Cesar. 

O ‘Em Cima da Hora’, telejornal exibido a cada hora na programação, passará a se chamar ‘Jornal Globo News’ e ganhará um novo cenário. Além de uma nova bancada, ele terá um espaço para os apresentadores receberem convidados no estúdio. “Procuramos fazer um cenário mais claro e leve e que, ao mesmo tempo, atendesse às necessidades funcionais do canal. Privilegiamos, neste projeto, uma área para fazer entrevistas mais informais, fora da bancada”, explica Alexandre Arrabal, diretor do Departamento de Arte do jornalismo da Rede Globo. 

O nova marca e a identidade visual da Globo News foram desenvolvidas por uma equipe da empresa Crama Design Estratégico em parceria com o Departamento de Arte do jornalismo da Rede Globo, a partir de uma pesquisa encomendada à agência F/Nazca. Há cerca de dois anos, uma série de entrevistas começou a ser feita com a intenção de traçar o perfil do assinante. “O maior desafio deste projeto foi, sem dúvida, inovar em um canal que já é sucesso há 14 anos. Como iríamos mexer em um time tão vencedor? A Globo News é o canal de notícias referência no Brasil”, afirma Fernand Alphen , diretor nacional de Planejamento da agência F/Nazca.
 
Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.

Série Na Forma da Lei agora em DVD

 Um assassinato, um criminoso de família influente, cinco amigos formados em direito e um enorme desejo de fazer justiça são o mote de ‘Na forma da lei’, que chega agora em DVD lançado pela Globo Marcas em parceria com a Som Livre. Escrita por Antônio Calmon, a série é protagonizada por Ana Paula Arósio (Ana Beatriz), Márcio Garcia (Maurício), Luana Piovani (Gabriela), Henri Castelli (Edgar), Leonardo Machado (Célio), Samuel de Assis (Ademir) e tem direção de núcleo de Wolf Maya. Na história, Maurício mata covardemente Eduardo (Thiago Fragoso), noivo de Ana Beatriz, por ciúme. Anos depois, ela vira promotora e, com a ajuda dos quatro amigos de faculdade, não mede esforços para botar o vilão atrás das grades. Tarefa quase impossível, já que ele é filho do renomado senador Viegas, interpretado por Luís Melo.

“É uma história original e muito brasileira. Além disso, mostra uma tendência da nossa época. A juventude atual vem se mostrando mais preocupada com a questão da impunidade”, diz Wolf Maya.

No elenco de ‘Na forma da lei’, que foi exibida este ano pela Rede Globo, também estão Paulo José, José Wilker, Ângela Vieira, Carolina Ferraz, Osmar Prado, Maurício Mattar, Dalton Vigh, entre outros. “A ideia não é explorar a violência, mas sim trazer à tona a energia dos amigos que buscam justiça”, explica Calmon.

Com mais de cinco horas de conteúdo, o DVD de “Na forma da lei” estará à venda no Portal Globo Marcas www.globomarcas.com, pelos telefones (21) 2125-7025 (Brasil) e (11) 2196-7025 (São Paulo) e em lojas especializadas em todo o país.

Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.

Escolinha do Professor Raimundo - Turma de 1991 chega ao DVD

Depois do grande sucesso do DVD “Escolinha do Professor Raimundo - Turma de 1990”,  chega ao mercado mais uma seleção dos melhores momentos da escola mais bem-humorada da TV brasileira.  A Globo Marcas, em parceria com a Som Livre, lança o DVD da turma da “Escolinha do Professor Raimundo”, que divertiu os telespectadores em 1991.

Os episódios, que foram ao ar até fevereiro de 1992, estão distribuídos em dois discos com seis horas de pura diversão. Como extra, há o especial “Chico & Amigos’, que foi exibido em dezembro de 2009. 

Além de personagens consagrados, como Seu Peru (Orlando Drummond), Joselino Barbacena (Antônio Carlos), Seu Boneco (Lug de Paula),  Rolando Lero (Rogério Cardoso) e Sandoval Quaresma (Brandão Filho), a turma de 1991 reuniu novos alunos como: Mazzarito (Costinha), Amparito Pera (Nélia Paula), Sócrates (Orival Pessini), Milha (Paulette) e Baunilha (Dudu Moraes), Gaudêncio (Ivon Curi), Patropi (Orival Pessini), Zé Bonitinho (Jorge Lorêdo), Capilé (Tim Rescala), Bebeto (Eri Johnson), Salim (João Elias), Canabrava (Tom Cavalcante), Dona Flor (Aldine Muller), Catifunda (Zilda Cardoso), Dona Capitulina (Cláudia Mauro), Marta Suplicio (Nádia Maria) e Celso Piquete (Antônio Pedro).

O pack com dois DVDs da turma de 1991 da “Escolinha do Professor Raimundo” está à venda no Portal Globo Marcas www.globomarcas.com, no televendas (21) 2125-7025 (todo o Brasil) e (11) 2196-7025 (São Paulo) e em lojas especializadas de todo país.

Mais novidades em www.redeglobo.com.br e @rede_globo.